22 de Outubro de 2017 -
 
10/10/2017 - 14h32
Preso há 16 dias, agente que matou pedreiro em show consegue liberdade
Aliny Mary Dias
Midiamax

O agente penitenciário federal Joseilton Cardoso, de 33 anos, será solto nesta terça-feira (10), 16 dias depois de matar o pedreiro Adílson Ferreira dos Santos, de 23 anos, no estacionamento do shopping Bosque dos Ipês, durante show de dupla sertaneja. A ordem de soltura foi expedida há pouco pelo juiz Carlos Alberto Garcete, da 1ª Vara do Tribunal do Júri.

De acordo com o advogado responsável pelo pedido atendido pelo judiciário, José Roberto da Rosa, o agente penitenciário que está detido em cela do Garras (Grupo Armado de Resgate e Repressão a Assaltos e Sequestros) será solto na tarde de hoje.

Rosa explica que no pedido há relatos das 18 testemunhas ouvidas pela Polícia Civil e que a maioria afirma que Joseilton apanhava quando atirou. “Eu esperei a conclusão do inquérito e juntei relatos das testemunhas, que em unanimidade disseram que meu cliente estava apanhando e se defendeu”, disse o advogado, que defende a tese de legítima defesa.

Versão da defesa

Em nota divulgada pelo Sinapf/MS (Sindicato dos Agentes de Execução Penais Federais em Mato Grosso do Sul), o agente teria dito que foi jogado ao chão e agredido com socos, chutes e pontapés por um grupo.

A briga teria começado depois que algumas pessoas teriam tentado furar a fila do banheiro e o agente, Joseilton, teria reclamado com o grupo e na volta para seu camarote foi agredido com um soco nas costas, vindo a cair pelas escadarias.

Neste momento foi agredido pelo grupo e na tentativa de se defender acabou efetuando o disparo, sendo que o tiro atingiu o tórax de Adilson, que morreu no local. Segundo informações da nota, o agente teria dito que foi quase ‘linchado’ pelo grupo.

Ainda de acordo com a nota, Joseilton possui porte de arma de fogo em todo território nacional, e que todos os agentes possuem capacitação física, psicológica e treinamento rígido para a utilização de armas de fogo.

O que diz a família

A mãe do jovem, Marlene Souza Silva, de 44 anos, disse que esta era a primeira vez que o filho saia para um show, “Parece que eu estava pressentindo o que ia acontecer”, fala Marlene. De família evangélica, Adilson era um rapaz tranquilo e estava a menos de um ano morando em Campo Grande após vir embora de Santa Catarina, diz a mãe que chorava a morte do único filho.

Familiares afirmaram que o corpo foi retirado do local do crime, por volta das 5 horas, depois que o palco foi desmontado. A vítima trabalhava em obras e é pai de uma recém-nascida que não conheceu. A criança mora em Santa Catarina e Santos estava com viagem marcada para conhecer a filha.

Um dos primos de Adílson disse que ele encontrou o agente em um banheiro feminino com a porta entreaberta e pensando estar passando mal tentou ajudar, quando foi empurrado pelo autor que em seguida efetuou o disparo, que atingiu o tórax da vítima.

publicidade
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
© 2013 - AgoraNews.com.br - Todos os Direitos Reservados

É expressamente proibida cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização dos autores conforme legislação vigente.
Desenvolvido por:
Ribero Design
(67) 9979-5354