26 de Abril de 2018 -
 
11/04/2018 - 09h33
Cega e internada há 1 ano, Aparecida ainda faz crochê para sustentar a família
Campanha encabeçada por funcionária de hospital arrecada barbantes para que paciente continue com seu trabalho
Guilherme Henri
CGNews/Agoranews
Aparecida e equipe de hospital comemorando festa
junina (Foto: Arquivo Pessoal)

Aniversário, festa junina, Natal e, infelizmente, já se passaram 12 meses na cama de um hospital. Maria Aparecida de Jesus Gonzales Ortega, 59 anos, precisou comemorar todas as últimas datas dentro do Hospital Universitário, em Campo Grande. Ela sofre de uma doença que ataca as mitocôndrias, o que também a deixou cega e quase impossibilitada de falar.

Hoje, sobrevive com uma traqueostomia, mas nada disso a deixou tão abatida quanto saber que a família precisava de ajuda. Por isso, mesmo na cama, ela confecciona peças de crochê e com o dinheiro da venda ajuda a filha desempregada e os três netos, que moram no Bairro Los Angeles.

Ao saber o que se passava fora do hospital, Aparecida recobrou as forças já roubadas pela doença e voltou a pegar as agulhas de crochê. “A doença deixa o paciente muito fraco e debilitado, mas ela só ficou mesmo abatida quando soube das necessidades da família. É inacreditável vê-la confeccionando tudo aquilo sem errar mesmo sendo cega”, detalha a assistente administrativa do hospital Yara Ferro, 43 anos.

Contudo, Aparecida está quase sem o material que precisa para continuar confeccionando as peças. Então, Iara não pensou duas vezes ao criar uma campanha pedindo doações a paciente. “Eu e os demais funcionários do hospital ficamos todos os dias impressionados com a garra dela. E mesmo diante da doença e dos problemas financeiros da família, ela sempre está sorrindo e tratando todo mundo muito bem mesmo com gestos, pois já não consegue falar direito já que está com a traqueostomia. É uma lição de vida”, conta.

Aparecida sendo presenteada no Natal -
(Foto: Arquivo Pessoal)

Há pelo menos 16 anos Aparecida começou a sentir os sintomas da doença. Ela sempre esteve no vai e vem do hospital, no entanto, o agravo da doença a forçou a encurtar esse caminho no ano passado.

A situação delicada da mãe, fez com que a filha Cristina Gonzales, 34 anos, perdesse o emprego de caixa de supermercado há 2 anos. E desde então a mulher não conseguiu outro trabalho que a permitisse também zelar pela mãe.

Com quatro filhos de 9, 12, 16 e 18, o mais velho preso, Cristina hoje ajuda na venda das peças da mãe para conseguir manter a família.

Conforme a assistente administrativa do HU, Aparecida pode receber alta em 10 dias, pois conseguiu um aparelho que ajudará no tratamento em casa. A notícia já deixa a equipe do hospital dividida entre felicidade e saudade, pois mesmo na enfermidade Aparecida é motivo diário de inspiração a todos.

Ajude

Como utiliza o tato para fazer o crochê, Aparecida precisa de linhas de barbante nos números 6 ou 8, cru ou coloridas. Quem quiser ajudar pode entrar em contato com Iara pelo telefone (67) 9-9903-4964.

Equipe de hospital em passeio com Aparecida - (Foto: Arquivo Pessoal)

 

publicidade
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
© 2013 - AgoraNews.com.br - Todos os Direitos Reservados

É expressamente proibida cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização dos autores conforme legislação vigente.
Desenvolvido por:
Ribero Design
(67) 9979-5354