23 de Abril de 2019 -
 
01/02/2019 - 22h00
Maia é reeleito e comandará a Câmara até 2021, Maia defende 'modernização' da Casa e reformas pactuadas
Filho do ex-prefeito do Rio Cesar Maia, deputado comanda a Câmara desde 2016 e assume terceiro mandato como presidente, até 2021
Por Guilherme Mazui, Fábio Amato, Fernanda Calgaro e Luiz Felipe Barbiéri, G1 — Brasília
Globo.com

Reeleito nesta sexta-feira (1º) presidente da Câmara, o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) defendeu em discurso a "modernização" da Casa e reformas "pactuadas".

Filho do ex-prefeito do Rio de Janeiro Cesar Maia, Rodrigo Maia é presidente da Câmara desde julho de 2016 e foi reeleito para o terceiro mandato, até fevereiro de 2021. O deputado recebeu 334 dos 512 votos.

No discurso, Maia ressaltou que a Câmara precisa de "modernização" na relação com a sociedade e com os instrumentos de trabalho.

"Ela [a Câmara] precisa de modernização, modernização e modernização. Na nossa relação com a sociedade, nos nossos instrumentos de trabalho, principalmente as novas ferramentas de comunicação, para que cada um de nós possa estar mais próximo do eleitor, do cidadão", declarou.

Deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), reeleito presidente da Câmara — Foto: J.Batista/Câmara
dos Deputados Articulação política

Sobre as reformas, afirmou:

"Precisamos modernizar as leis, simplificá-las. E precisamos comandar as reformas de forma pactuada junto com todos os governadores, prefeitos e partidos políticos. Nada vai avançar se não trouxermos para o debate aqueles que estão sofrendo pela inviabilização do Estado."

Entre as reformas defendidas pelo governo Jair Bolsonaro, e que precisam de aprovação do Poder Legislativo, está a da Previdência Social, considerada essencial pelo Palácio do Planalto para equilibrar as contas públicas.

Articulação política

No primeiro discurso após reeleito, Maia destacou ter contado com o apoio de uma ampla aliança partidária, que reuniu siglas como PSL, de Jair Bolsonaro, o PCdoB e o MDB.

"Nós temos que ter todos aqui, de todas as correntes partidárias, do PT ao PP, ao PSL, para que essa pacto sirva não apenas para a União, mas para estados e municípios", afirmou.

Em entrevista à GloboNews, logo após a vitória no plenário da Câmara, Rodrigo Maia disse que é preciso ter "diálogo" no parlamento.

Ele citou como exemplo reuniões que teve com os governadores petistas Camilo Santana (Ceará) e Wellington Dias (Piauí) nas quais teve "aula" sobre gestão pública e segurança.

Votação secreta

Rodrigo Maia ainda se posicionou na entrevista à GloboNews a favor da votação secreta para escolha dos presidentes da Câmara e do Senado. O deputado do DEM foi reeleito nesta sexta em votação secreta.

A discussão sobre se a eleição para presidência do Senado seria por meio de voto secreto ou aberto provocou tumulto no plenário. Senadores bateram boca e quase houve agressão física.

Na opinião de Maia, a eventual decisão de fazer uma eleição com votos abertos no Senado poderá gerar a "nulidade” das decisões da Casa.

Para o presidente reeleito da Câmara, o voto secreto garante que os chefes das duas casas legislativas do Congresso se mantenham independentes do Palácio do Planalto.

"Abrir voto para derrotar A, para derrotar B, isso não é bom. E mais: o governo Bolsonaro não tem o apetite de intervenção no Legislativo, pelo menos por enquanto. Então, para ele, o resultado vai ser sempre um resultado natural”, enfatizou.

"Daqui pra frente, com o voto aberto na Câmara, no Senado, um presidente do Senado será 100% aliado com o governo, e não é isso o que diz a Constituição", complementou Maia.

Reforma da Previdência

Ao defender a "pactuação" para aprovar reformas, Rodrigo Maia mencionou a proposta sobre a Previdência Social, que será enviada pelo governo.

Maia afirmou que há "espaço" para a Câmara intermediar o pacto em favor da reforma.

"Tem espaço para que a Câmara possa intermediar uma grande pactuação, um texto junto com o governo, mas organizado pela Câmara, para que a gente possa unir todos aqueles que estão governando, de partidos ligados ao governo ou não, pra que a gente possa avançar de forma definitiva nesse tema", disse.

O parlamentar mencionou os problemas financeiros vividos por estados como Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte para defender uma postura "mais racional" dos políticos na discussão da Previdência e demais reformas.

"Acho que a Previdência, as questões de reformas administrativas, precisam sair da agenda ideológica e vir pra uma agenda mais racional para que a gente possa construir maiorias pactuadas e aprovar os temas e dar solução para que o investidor tenha mais tranquilidade para investir no Brasil", disse.

Maia lembrou que, somente com os votos da base do governo, poderá ser difícil aprovar a reforma da Previdência, em especial porque o governo de Jair Bolsonaro mudou a forma como organiza a base de apoio.

As mudanças nas aposentadorias e pensões serão analisadas em uma proposta de emenda à Constituição (PEC), que exige o voto de 308 dos 513 deputados em dois turnos.

"O presidente começa o seu governo organizando a base de uma outra forma, eu não tenho clareza se ele tem o espaço necessário para ter os 308 votos", disse.

O presidente da Câmara explicou que é preciso um período de "transição" para assimilar o novo funcionamento da base governista. Na sua opinião, esse período poderá "não gerar" 308 votos "no curto prazo".

Relação com Bolsonaro

Questionado sobre sobre como será a relação dele com o presidente Jair Bolsonaro, o deputado respondeu: "Será sempre de muito diálogo e de construção de pautas".

publicidade
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
© 2013 - AgoraNews.com.br - Todos os Direitos Reservados

É expressamente proibida cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização dos autores conforme legislação vigente.